Atitudes dos Estudantes de Medicina da UFES a respeito da Relação Médico-Paciente

  • Thiago Dias Sarti UFES
  • Brunela Pitanga Madureira
Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Educação Médica, Integralidade

Resumo

Introdução: O fortalecimento da atenção primária (APS) requer a consolidação do ensino de seus princípios em nível de graduação. Um componente fundamental neste sentido é a relação médico-paciente, sendo este um dos pilares da Medicina de Família e Comunidade e da Abordagem Centrada na Pessoa, conforme a entende Ian McWhinney. O objetivo foi analisar a influência do Estágio Curricular em APS (6 semanas em USF no 9º período) do Curso de Medicina da UFES nas atitudes e percepções dos estudantes a respeito da relação médico-paciente.

Métodos: Aplicou-se a escala PPOS (Patient-practitioner Orientation Scale), validada para o contexto brasileiro, no primeiro e no último dia do estágio realizado no segundo semestre de 2016. Esta escala de 18 itens indica o quanto o respondente entende a relação médico-paciente como centrada no médico ou na pessoa a partir de análises sobre a partilha de poder, informações e decisões (dimensão “poder”) e sobre a importância dada pelo estudante para as expectativas, sentimentos e emoções do paciente (dimensão “cuidado”). Escore geral acima de 5 (varia de 1 a 6) indica que a atitude do estudante na relação médico-paciente é mais centrada na pessoa. As análises estatísticas compreenderam o teste t-Student e Wilcoxon feitas no SPSS 20.0.

Resultados: 47 estudantes responderam a escala no início do estágio e 44 no final. O escore geral médio foi de 4,158 e 4,188, respectivamente (p=0,782). Na dimensão poder, o escore médio foi de 3,928 no início e 3,995 no fim do estágio (p=0,644) e na dimensão cuidado foi de 4,388 e 4,382 (p-0,633).

Conclusão: Os dados sugerem que a atitude dos estudantes do 9º período do curso de medicina da UFES é centrada no médico e na doença, não sofrendo alteração após o Estágio Curricular em APS de 6 semanas.

Publicado
2017-10-02