Condutas mais frequentes nos atendimentos médicos em Unidade Básica de Saúde de Vila Velha, ES

  • Natalia Josiele Cerqueira Checon Universidade Vila Velha
  • André Filipe Lucchi Rodrigues Universidade Vila Velha
  • Álvaro Damiani Zamprogno Universidade Vila Velha
  • Lorena Camillato Sirtoli Universidade Vila Velha
  • Diego José Brandão Universidade Vila Velha
  • Marcelo Santana Vetis Universidade Vila Velha
  • Leonardo Ferreira Fontenelle Universidade Vila Velha http://orcid.org/0000-0003-4064-433X
Palavras-chave: Educação de Graduação em Medicina, Atenção Primária à Saúde, Assistência ao Paciente

Resumo

Introdução: A criação do Sistema Único de Saúde (SUS), em 1988, quebrou paradigmas e estimulou diversas mudanças na educação médica no Brasil. Dessa forma, foi desenvolvido um novo modelo de ensino médico que está se consolidando cada dia mais, além de estar gerando muitos frutos, como médicos que estão mais integrados com o sistema público de saúde, vivenciando o seu funcionamento e conhecendo as suas principais demandas. Este trabalho visa descrever as condutas mais comuns realizadas nos atendimentos pelos acadêmicos de medicina do 5º ao 8º período com supervisão dos preceptores Médicos de Família, na Unidade de Saúde em Vila Velha, Espirito Santo.
Métodos: Estudo quantitativo e transversal. Foi adaptado um formulário a partir da tese de doutorado do professor Gustavo Gusso pelo qual preceptores preenchiam conforme os registros dos atendimentos realizados na UBS pelos seus respectivos acadêmicos. Após isso, os dados relatórios eram codificados e tabulados de acordo com o CIAP-2.
Resultados: Foram atendidos 226 pacientes. Dentre os atendimentos, 11,6% foram encaminhados para especialista médico, 2,3% encaminhado para outro profissional, 27,9% dos atendimentos foi solicitado exame laboratorial, 9,3% foi solicitado exame de imagem e em 63,7% foi prescrito medicamento.
Conclusão: A partir dos dados obtidos, observamos uma baixa taxa de encaminhamentos o que pode sugerir uma boa resolutividade dos atendimentos realizados, além de uma baixa taxa de solicitação de exames e prescrição de medicamentos. Desse modo, notamos a capacidade de resolutividade e uso racional de recursos dos atendimentos realizados na Atenção Primária à Saúde (APS).

Publicado
2017-10-01